sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Devaneios por um coração poliedro

Meu anjo de asas degradés.
Cobre-me com teu véu de luz.
Deixa a luz dos teus olhos atravessar os meus e faz deles tua moradia.

E assim me habita!

(Lídia Martins, a Pipa)


Minha pequena borboleta das asas diáfanas...
Pousa seu encanto nos meus dias,
Abre meu sorriso tão facilmente quanto o bater suave das tuas asas,
Leve, linda e solta pelo céu azul sem nuvens
E brinca no éter do espaço, entrepondo-se à luz do sol
Um ponto brilhante, um pedaço da eternidade
Congelado no espaço de um único lindo instante
Só meu, porque outros poderiam ver
Mas este ponto de vista é único e exclusivo de mim
Beijo e encanto é o seu pouso no meu rosto, na minha pele
E o simples existir de você é suficiente
Pra o mundo ser um lugar muito mais feliz.

Marília Felix (em partes)

8 comentários:

  1. Bela declaração de amor para alguem que vive querendo fugir, voar...segure-0...abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vôo a quatro asas!

      Que saudade de você, Simone!
      Um beijo!

      Excluir
  2. Li o texto duas vezes e fiquei sem palavras, simplesmente lindo (:

    ResponderExcluir
  3. Ninguém resiste a uma declaração destas:)!
    Bjo

    ResponderExcluir
  4. Sempre um devaneio maravilhoso por aqui!

    Te adoro, Má!!

    Nossos corações poliedros nos fazem voar para longe, mas sempre ter para onde voltar...

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas quando a gente ama, não se quer voltar.
      Quer permanecer no amor.
      E o amor em você.

      Um beijo, tati!

      :)

      Excluir

'Quem és tu que me lês? És o meu segredo ou sou eu o teu?'