sábado, 30 de abril de 2011

Amo mais do que posso e menos do que sou capaz

Eu sou lúcida na minha loucura,
Permanente na minha inconstância,
Inquieta na minha comodidade.

Pinto a realidade com alguns sonhos,
E transformo alguns sonhos em cenas reais.

Choro lágrimas de rir e quando choro pra valer
Não derramo uma lágrima.

Amo mais do que posso e, por medo,
Sempre menos do que sou capaz.
Busco pelo prazer da paisagem
E raramente pela alegre frustração da chegada. 

Quando me entrego, me atiro
Mas não me leve a sério, sei que nada é definitivo.
Nem eu sou o que penso que eu sou.
Nem nós o que a gente pensa que tem.

Penso mais do que falo.
E falo muito, nem sempre o que você quer saber.
Mas há uma mulher em algum lugar em mim
Que usa caros perfumes,
Sedas importadas e brilho no olhar,
Quando se traveste em sedução. 

Se você perceber qualquer tipo de constrangimento,
Não repare, eu não tenho pudores
Mas, não raro, sofro de timidez.

E note bem: não sou agressiva, mas defensiva.
Impaciente onde você vê ousadia.
Falta de coragem onde você pensa que é sensatez.

Mas mesmo assim, sempre pinta um momento qualquer
Em que eu esqueço todos os conselhos
E sigo por caminhos escuros.
Estranhos desertos.
E, ignorando todas as regras, todas as armadilhas dessa vida urbana,
Dessa violência cotidiana, se você me assalta, eu reajo.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Meme Literário

Recebi um convite da minha mana Rosamaria do Deslizes poéticos
Não tem como negar um pedido dessa Flor!
Beijos Rosa! ^-*


Meme Literário
1. Existe um livro que tu lerias e relerias várias vezes?
Sim. A cabana!
Livro fantástico que nos questiona o ‘por que’ de às vezes Deus não amenizar nosso sofriento.

2. Existe algum livro que começaste a ler, paraste, recomeçaste, tentaste e tentaste e nunca conseguiste ler até ao fim?
Sim. Quem me roubou de mim? – Pe. Fábio de Melo
Nunca consigo terminar, rs.

3. Se escolhesses um livro para ler para o resto da tua vida, qual seria ele?
A Bíblia.
Lá encontro TUDO que preciso saber!

4. Que livro gostaria de ter lido, mas que, por algum motivo, nunca leste?
O diário de Anne Frank!
Morro de vontade ler.
*-*

5. Que livro leste cuja 'cena final' jamais conseguiste esquecer?
Os miseráveis - Vitor Hugo e Acir Carrasco
Final emocionante!

6. Tinhas o hábito de ler quando era criança? Se lia, qual era o tipo de leitura?
Eu acho que ps de Monteiro Lobato.

7. Qual o livro que achaste 'chato' mas ainda assim o leste até ao fim? Por quê?
Memórias póstumas de Brás Cubas.
Porque estava no conteúdo do vestibular, aff.

8. Indica alguns dos teus livros preferidos.
Pequeno Príncipe
Os miseráveis
O vendedor de Sonhos
Buscai as coisas do alto
Quando só Deus é a resposta
Retalhos de vida
Senhora
O Futuro da Humanidade
Jovens Sarados
Corações curados

9. Que livro está a ler neste momento?
Ultimamente só tenho tempo de ler os da faculdade, rs.

10. Indica dez amigos para o Meme Literário.
Vou indicar a todos, porém só vou colocar o blog de alguns. 
(são muitos blog's)

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Rio que flui sobre mim

Ser como um rio que flui
Estrela de luz, que me conduz

Ser usada sem medida
Em profundezas tranqüilas

Ser como um rio que flui
Rio que flui através das palavras
E que me tens aos teus pés
Misteriosamente fluindo...
E me conduzindo em Tua direção

Ser como um rio que flui
Flui do trono de Deus

Vem me mostrar a água da vida,
Brilhante como cristal...

Ser usada sem medidas...
Flui RIO de Deus sobre mim!

(Marília Felix) 
Aos todos os meus leitores...
Em especial aos meus amigos Rafael e Luzia,
Por terem inspirado-me através do livro de Paulo Coelho.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Sobre a escrita...

Escrever é viver, é refúgio...
É um ócio, ofício e paixão...
É ânsia na fala!
É arte!

Entrar num mundo de sensações desconhecidas,
Uma forma de jogar para a ponta dos dedos tudo que sentimos.

Espalhar nossos ramos,
Compartilhar nossos frutos,
Curar as feridas da própria alma.

Escrever vai além da elegância das palavras...

Escrevemos o que não falamos,
Falamos o que não escrevemos.

Escrevo enquanto viver
Escrevo pra me socorrer
Escrevo porque me salva,
Me salva de tudo e de mim mesma!

(Marília Felix)
Eu não escrevo o que quero, escrevo o que sou.
(Clarice Lispector)

domingo, 24 de abril de 2011

Estrela que me faz rir!

As pessoas têm estrelas que não são as mesmas.
Para uns, que viajam, as estrelas são guias.
Para outros, elas não passam de pequenas luzes.
Para outros, os sábios, são problemas.

Mas todas essas estrelas se calam.
Tu, porém, terás estrelas como ninguém...
Quero dizer: quando olhares o céu de noite,
(Porque habitarei uma delas e estarei rindo),

Então será como se todas as estrelas te rissem!
E tu terás estrelas que sabem sorrir!
Assim, tu te sentirás contente por me teres conhecido.

Tu serás sempre meu amigo
(Basta olhar para o céu e estarei lá).
Terás vontade de rir comigo.

E abrirá, às vezes, a janela à toa, por gosto...
E teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu.
Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!


 
Nando, um coelhinho branco aparecerá 
na tua janela e dirá bem junto ao teu 
ouvido que está esperando o amor renascer!
Que hoje, você possa resnascer em Cristo,
e saber que Ele somente Ele é o 
Autor da nossa Vida!

Feliz Aniversário e Feliz Páscoa! 

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Dentro de mim

Aqui dentro, as palavras transbordam de amor...
Transbordam como flor,
Flor que cai de forma leve
Leve como a neve
A colorir-te em cores
Nas essências de amores

Aqui dentro, os sentimentos viram contrários...
As alegrias viram raios
Raios de amarelo cintilante
E de olhares escaldantes

Aqui dentro, a anatomia ficou toda louca...
O coração se fez boca
A alma tornou-se tosca
Sem exigências e explicações! 

(Marília Felix)

Para minha prima biólioga Alina e minha amiga-terapêuta Fabiana.
Após longas conversas sobre a vida...

terça-feira, 19 de abril de 2011

Simplificando a vida...

Se tudo que é belo tende a ser simples...
Então, simplifique sua vida!

Se tudo que é bom, dura pouco...
Então, aproveite o máximo de cada momento!

Eu não quero outra coisa, eu só quero a necessidade de cada instante.
Eu não quero a complexidade, eu só quero viver o ritual do existir cumprindo cada etapa.

Já dizia o poeta: Simplicidade é querer uma coisa só!

Chega de excessos...
Simplifique você e sua vida!
Saiba sorrir com as coisas menores...

E quando você menos esperar,
A felicidade vai bater na tua porta,
E você descobrirá que na vida
O que se ocupa de ser é o que se é.
 (Marília Felix)

sábado, 16 de abril de 2011

O que faz bem e o que faz mal para minha saúde!

Acho a maior graça. Tomate previne isso, cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas não exagere... 
Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos. Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal pra minha saúde.

Prazer faz muito bem.
Dormir me deixa 0 km.
Ler um bom livro faz-me sentir novo em folha.
Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas depois rejuvenesço uns cinco anos.

Viagens aéreas não me incham as pernas; incham-me o cérebro, volto cheio de idéias.
Brigar me provoca arritmia cardíaca.
Ver pessoas tendo acessos de estupidez me embrulha o estômago.

Caminhar faz bem, dançar faz bem, ficar em silêncio quando uma discussão está pegando fogo, faz muito bem! Acordar de manhã arrependido do que disse ou do que fez ontem à noite é prejudicial à saúde!

E passar o resto do dia sem coragem para pedir desculpas, pior ainda! Não pedir perdão pelas nossas mancadas dá câncer, não há tomate ou mussarela que previna.

Cinema é melhor pra saúde do que pipoca!
Conversa é melhor do que piada.
Exercício é melhor do que cirurgia.

Humor é melhor do que rancor.
Amigos são melhores do que gente influente.
Pergunta é melhor do que dúvida.
Sonhar é melhor do que nada!

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Deslizes de uma Rosa poética

Ela reflete luz quando passa!
Uma personalidade de flor que o próprio nome já diz.

Um jeito encantador de ser
Umas manias loucas de viver...

Ela é daquelas que fala pelos “cotovelos”
Em seu contexto, sempre existem sempre vírgulas, aspas e reticências!

Ela transitória, contagiante e impulsiva,
Transmite alegrias em potinhos e felicidade em garrafões...
Ela não vem com laço, mas mesmo assim é um presente!
E quem dera se todas as flores a tivessem no nome.

Uma essência feita de mudanças,
Um cantinho cheio de sentimentos.
Uma “pressa” que não tem fim...

Dentro dela há um coração amplo, cheio de fé...
E dali ela sai, com seus deslizes poéticos
A tornar nossa vida mais florida!

(Marília Felix)


"Na minha memória tão congestionada,
e no meu coração tão cheio de marcas e poços,
você ocupa um dos lugares mais bonitos!"
 Feliz Aniversário a Rosa mais linda que conheci este ano!

terça-feira, 12 de abril de 2011

Calor da vida

A vida pode ser mais leve.
Mais lúdica...
Se eu não brincasse, enlouqueceria.

Não posso nem sei ser essa imagem que tanta gente
Congelou a respeito do que é ser adulto.
Passo longe desse freezer.

Quero o calor da vida.
Quero o sonho e a realidade melhor que ele puder gerar.
Quero alguma inocência que não seja maculada.
Quero descobrir coisas que não suspeito existirem  

E, que para minha surpresa,
Têm significado para o meu coração.

Adulta, quero caminhar de mãos dadas,
Vida afora, com a criança que me habita:
Curiosa, arteira, espontânea.



domingo, 10 de abril de 2011

É preciso viver, não apenas existir!

Há pessoas que apenas existem.
Existem hoje e amanhã passam a ser lembranças...
Há outras que vivem e sobrevivem,
Dia após dia...
Nunca são lembranças, nunca sentem saudades,
Por que vivem!
Há pessoas que vivem para fazer outras viverem melhor.
E você na minha vida não existe, Vive!
Pois você a faz melhor!

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Alegria de vida barata


Sem explicação, ordem e motivo...
Me arde uma alegria, que não aceita ser felicidade,

Porque a felicidade é uma palavra muito longa e a alegria tem pressa. 
Não sei se é uma alegria herdada, uma alegria que esbarrou em mim
E que me salvou de ter pensado demais para devolvê-la.

Uma alegria de deitar na grama e sentir que está molhada
E não se importar com a roupa orvalhada
E não se importar com a hora e com os modos,
Uma alegria que é inocência, mas sem culpa para acabá-la.

Uma alegria que é descobrir os objetos no escuro.
Uma alegria repentina, que me faz entortar o rosto para rir,
Que não me faz pôr a mão na boca com medo dos dentes,
Que me impede de me proteger. 

Uma alegria como um tapete que fica somente curtido no centro.
Uma alegria de perceber que quanto mais gasto o tempo com os outros mais sobra para mim.

Alegria de vida barata e da morte cara.

Uma alegria sem saber para que serve,
Uma alegria que se antecipa e faz sala ao quarto.
E quase me faz acreditar que sou possível!