terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Perecível


Já faz um bom tempo que não consigo escrever como antes. Aliás, nada mais é como antes. Quisera eu conhecer melhor todas essas mudanças. Quem me dera reviver alguns arco-íris do passado. Sofro por causa do meu espírito de juntar sentimentos, de querer abraçar o que não consigo. Tudo que sinto tropeça na saudade. Viver sob um sonho que às vezes parece perecível demais. Então olho pro céu estrelado. Meu coração dispara. Minhas palavras viram fumaça ao vento, misturo-me com a fumaça, tudo vira saudade, e quem sabe, um sorriso.

Marília Felix

9 comentários:

  1. Oi menina Marília...então estamos sofrendo do mesmo mal é ? hehehehe...tb pouco tenho escrito, e sinto falta de visitar os blog's de amigos, sinto falta de "falar" contigo, com a Cris, com a Bete, com a Márcinha...humpft...
    Mas é assim mesmo né ? Muitas coisas mudam em nossa caminhada, e de forma tão rápida...pena...
    O que importa é que continuemos a olhar para o céu estrelado, para a Lua (que esteja bem abusada de linda), de lembrar dos amigos, de receber carinhos...

    TE AMO...muitão...Xeros e saudades

    ResponderExcluir
  2. O silêncio pode se transformar num lindo poema.

    ResponderExcluir
  3. A gente aprende tanto com a melancolia, depois quando chegam alegrias, a escrita muda.

    ResponderExcluir
  4. Amiga tenha certeza que essa nuvem logo irá se dissipar e tudo vai ficar bem. Gente, tempão que ñ venho aqui. kkkk
    Bjão amiga, te amo, tu sabe né?

    ResponderExcluir
  5. Oi Mari! Acho que todo mundo passa por isso vez outra. É o momento de aquietar e silenciar. E depois, tudo passa.
    Bjus, flor!!

    ResponderExcluir
  6. Com licença, posso entrar?

    Muito prazer

    Ozeas Ramos - devaneador

    http://rascunho1966.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Também me sinto assim moça!
    Às vezes a gente insiste em transformar em palavras aquilo que são silêncios indizíveis.. Mas só às vezes. A inspiração volta depois. Ela sempre volta.

    ResponderExcluir

'Quem és tu que me lês? És o meu segredo ou sou eu o teu?'